Alta tecnologia em adesivos na Formula 1

Quando olhamos para um carro de Formula 1 mostrando os seus patrocinadores através de adesivos, com toda a sua beleza reluzente que nos deixam admirados, temos a impressão de que fazem parte da própria pintura do bólido.

Essas máquinas (que custam milhões de dólares) usam materiais de última geração em todos os seus componentes para ter a melhor performance possível em uma corrida e os adesivos também são um item muito importante nesse conjunto.

Para se ter uma ideia da importância dos adesivos em um carro de corridas é só imaginar que, numa velocidade de 300 km por hora o vento exerce uma força gravitacional de aproximadamente 500 quilos sobre o aerofólio do carro. Isso seria mais do que suficiente para arrastar ou descolar qualquer material exposto sobre a superfície super-lisa do veículo, portanto é necessário que esses adesivos sejam produzidos com materiais nobres, super resistentes e com uma adesivação perfeita para que não fique qualquer saliência sobre o verniz da pintura.

Acrescente a isso também as intempéries do tempo como chuva, vento, poeira etc. Os carros são testados em túnel de vento (já com seus devidos adesivos) para ver se existe algum material, por menor que seja, interferindo na velocidade final do carro.

Na verdade não nos damos conta de quanto trabalho é necessário para desenvolver adesivos com materiais hiper-resistentes como plásticos, colas, vernizes etc. que enfrentem cara-a-cara todo esse turbilhão de tempestade, mantendo-se sempre intactos e mostrando toda sua beleza .

A pressa virou amiga da perfeição!

Nesse mundo de hoje, onde a demora não tem mais vez, foi preciso a todo custo que a pressa fizesse as pazes com a perfeição e andassem de mãos dadas.

Nenhum empreendimento, seja ele na área de alimentação, confecção, impressão etc. não podem se dar ao luxo de deixarem os seus clientes esperando.

O mundo anda numa velocidade frenética e crescente, com sede de consumo e buscando rapidez em todas as áreas, na construção civil por exemplo um prédio demorava em média de três a quatro anos para ficar pronto. Hoje esse prazo diminuiu drasticamente e grandes edifícios ou aranha-céus são construídos em tempo recorde de apenas um ano em média.

Para se ter uma ideia na China, através de modernas técnicas construtivas o “Ark Hotel” teve seus 15 andares construídos em absurdas 48 horas.

Na área de alimentação (por serem produtos perecíveis) é preciso muito mais agilidade para se produzir e fazer com que os alimentos cheguem na mesa do consumidor em tempo recorde.

Hoje milhares de lanchonetes, restaurantes, supermercados e shoppings precisam diariamente de milhares de toneladas de alimentos diariamente e para isso foi preciso que as grandes empresas de alimentação desenvolvessem uma logística moderna, rápida e eficiente. Não pode haver erros nem demora para que possamos ter nossa alimentação no dia a dia.

A APEX DO BRASIL sempre buscou essa logística de perfeição e agilidade. Não é por acaso que APEX DO BRASIL é hoje uma empresa com vários prêmios como a melhor empresa da América latina na área de impressão digital por exemplo.

Estamos sempre procurando inovar nossos produtos como máquinas, equipamentos modernos, designers e profissionais competentes que agilizam o processo de produção para satisfazer o gosto e as necessidades de nossos clientes sempre no prazo previsto. Afinal, nesse mundo novo onde cada segundo significa ouro, a pressa e perfeição precisam andar juntas de uma vez por todas.

A evolução da impressão

A china é a “mãe” da impressão em papel, pois muito antes de Gutemberg a China já inovava na diversificação de tintas e impressões como a Xilogravura. Os caracteres e desenhos eram confeccionados em moldes de argila e impressos em papel através de carimbos de argila.

A grande necessidade por impressões mais baratas, principalmente por parte dos monjes para produzirem seus textos sagrados em massa tornavam esse processo ineficiente.

Os grandes escritores da idade média necessitavam de uma grande demanda de livros e foi aí que entrou Gutemberg. A sua técnica de esculpir letras de vários tamanhos e tipos em pontas de hastes de aço revolucionou a técnica de impressão, agilizando a produção e suprindo as necessidades da época.

A técnica da tipografia foi tão revolucionário que ainda hoje (embora quase extinta) a tipografia ainda é usada em algumas gráficas.

Em 1796 o austríaco Alois Senefelder inventou a litografia, processo de reprodução de textos em papel através de tinta gordurosa aplicada sobre uma pedra de superfície polida e prensada no papel.

O único problema da Litografia era o seu processo lento de impressão; era preciso levantar a pesada pedra de impressão para colocar outro papel na prensa.

Em 1884 Otto Mergenthaler inventa a linotipia, um salto enorme de tecnologia e um avanço considerável para a imprensa. Consistia em fabricar um conjunto de texto completo (Clichê) em vez de fabricar uma peça para cada letra.

Os avanços tecnológicos permitiram a técnica de impressão off-set, técnica que evoluiu e se adaptou diretamente à litografia.

Já na idade moderna o raio laser chegou para inovar a imprensa. A técnica fotoeletrônica permite as partículas de tinta aderirem no papel graças a força da atração elétrica, foi criado então a fotocopiadora que evolui com a tecnologia eletrônica e enfim, conectada aos computadores surgiu a impressão digital.

E sempre bom conhecer a história do papel de parede antes de escolher qual deles irá decorar o seu ambiente.

Tudo começou na china China, mais ou menos no século II A.C.. O papel era confeccionado com arroz e usado sem nenhuma impressão. Tempos depois começou a ser feito como os pergaminhos e decorados com tinta vegetal, tudo produzido à mão e depois com carimbos decorativos, feitos de madeira, para decorar os palácios dos imperadores e mandarins.

Com a aproximação do continente europeu ao mercado asiático o papel de parede entrou na europa pelas mãos de comerciantes árabes que aprenderam a produzí-los com os chineses. Passou então a serem usados para decorar paredes, substituindo a tapeçaria da época por serem mais baratos e práticos, obtendo o mesmo resultado.

Com a chegada de artistas renascentistas italianos na França, a convite de Francisco I, surgiram os padrões totalmente europeus. Contudo, as folhas continuavam a ser demasiado pequenas e a qualidade da reprodução, mediana; tudo em um ritmo de produção muito lento.

Em 1630, foi inaugurada a primeira fábrica de papel de parede, a Papel-Toutisses, na cidade de Roven, França.

Em 1675, o gravador francês Jean Papillon aplicou na fabricação dos papéis o mesmo princípio utilizado na gravura: a passagem dos desenhos para blocos de madeira, possibilitando também o uso da cor sem restrições técnicas. Coloridos e baratos, os papéis de parede foram usados em bolsas, originando uma moda que definitivamente se popularizou no século XVIII.

Em 1770, Jean Papillon inaugurou em Paris uma fábrica de papéis pintados com gravuras sem restrições de cores.

Em 1870 também na França, Juan Zuber instalou sua fábrica de papel de paredes onde foram aperfeiçoadas as técnicas de impressão com corantes. A fábrica de Zuber também lançou o primeiro rolo com mais de 4 mts de papel de parede pronto para uso.

Foi em 1634, na Inglaterra na cidade de Cambridge que começou a produção dos papéis multicoloridos.

Em 1783, a chamada Manufatura Real lançou o estilo rococó francês, que passou a ser o papel mais vendido e procurado de Londres.

Em 1814, surgiu a máquina de impressão, inovando o processo de fabricação do papel.

A máquina inventada por Konig confeccionava com precisão fibras de algodão ou seda sobre a tinta, resultando, pela transparência e sobreposição, motivos com relevo. Assim surgiu o chamado flock.

O papel de parede surgiu no Brasil através da imigração européia no final do século XIX. Porém, a importação desse produto era pequena, em função dos altos custos, sendo esquecido por anos.

Na década de 60, com a modernização da indústria brasileira, os custos foram reduzidos e o papel tornou-se enfim popular, revestindo paredes de lares e escritórios.

Sua empresa em movimento

Nada melhor do que ter a divulgação de sua empresa correndo o mundo, se propagando constantemente e sem que você tenha que pagar uma agência de propaganda para isso.


Atualmente a adesivação de frota é um dos mais eficientes meios de comunição, levando o nome de sua empresa a lugares distantes, propagando a sua marca e produtos, expandindo o seu negócio, sem que você precise gastar algo a mais por isso.

Meu veículo ficará protegido com o envelopamento?

Quando confeccionada por profissionais, com películas de alta qualidade, a adesivação só tem vantagens. Evitando que a pintura do seu carro entre em contato com o meio externo e as intempéries do tempo, a adesivação evitará prováveis riscos e o desgaste natural da pintura, conservando seu veículo ou frota por muito mais tempo.

Sua empresa em movimento

Nada melhor do que ter a divulgação de sua empresa correndo o mundo, se propagando constantemente e sem que você tenha que pagar uma agência de propaganda para isso.

Atualmente a adesivação de frota é um dos mais eficientes meios de comunição, levando o nome de sua empresa a lugares distantes, propagando a sua marca e produtos, expandindo o seu negócio, sem que você precise gastar algo a mais por isso.

Meu veículo ficará protegido com o envelopamento?

Quando confeccionada por profissionais, com películas de alta qualidade, a adesivação só tem vantagens. Evitando que a pintura do seu carro entre em contato com o meio externo e as intempéries do tempo, a adesivação evitará prováveis riscos e o desgaste natural da pintura, conservando seu veículo ou frota por muito mais tempo.

Posso remover a adesivação quando quiser sem causar danos à pintura?


A película estará sempre em contato direto com a pintura, por isso preste atenção na qualidade do material que deverá ser usado.

Nem toda película é apropriada para adesivação automotiva justamente pelo fato de prejudicar a pintura, podendo deixar riscos ou restos de cola muito difíceis de serem retirados.

O material usado no envelopamento é um adesivo próprio para automóveis que adere com segurança e pode ser retirado sem deixar resíduos ou restos de materiais na pintura e sempre deve ser executado por um profissional especializado em aplicar ou retirar a adesivação.

Quanto tempo dura a adesivação?

Dependendo do modo que o veículo ficará exposto ao tempo e da forma como o veículo é utilizado, como carregamento e descarregamento de materiais pesados por exemplo, a adesivação pode durar em média de 3 a 5 anos. Leve sempre em consideração a qualidade da película e a sua conservação adequada.

E a segurança do veículo?

Seu veículo ficará menos exposto a possíveis assédios de marginais pois, segundo a Polícia Militar do Estado de São Paulo, existem alguns pontos que explicam a “lógica dos roubos”:

O Marginal quase sempre procura por veículos que não chamam atenção e são difíceis de serem localizados pela polícia, porque provavelmente serão utilizados em outros delitos.

Os veículos adesivados são facilmente reconhecidos e por isso são desvalorizados pelos ladrões que preferem em sua maioria carros que podem ser repassados rapidamente sem serem notados.  

Beleza é fundamental!

Aquele velho ditado de que beleza não se põe na mesa anda meio ultrapassado.

Não se engane, o seu empreendimento precisa ter uma aparência agradável e convidativa se você quiser conquistar a confiança do seu cliente.

Quando você quer vender, precisa mostrar que o seu produto é de primeira qualidade, para isso o ambiente onde ele está exposto também deve ser visto dessa forma.

O papel de parede é hoje um ítem fundamental para decorar e dar aquele clima de “estou em casa”, deixando um ambiente bonito e aconchegante.

Um ótimo exemplo que podemos dar para ilustrar essa nossa conversa é o projeto da PAULIFRUT. 

A Paulifrut é uma empresa séria do ramo de alimentos; Uma distribuidora que só trabalha com frutas de primeira qualidade.

Os diretores da Paulifrut perceberam que precisavam passar essa qualidade aos seus consumidores e para isso resolveram adesivar as paredes da empresa, deixando o ambiente propício e de acordo com seus produtos.

Veja a diferença notável:

Assim era a imagem empresa antes da reformulação visual.

Em contato com Apex do Brasil, os diretores da Paulifrut mostraram as suas necessidades (Antes é preciso saber que não existe uma arte ou projeto pronto e que já tenha a cara da sua empresa). Foram necessário desenvolver vários projetos para a apreciação dos diretores da Paulifrut.

Projeto aprovado, mãos à obra!

Quando um projeto é aprovado significa que o visual da sua marca, artes, desenhos, fotos e tudo mais ficaram com o DNA da empresa, mostrando aos clientes exatamente que o seu negócio tem a sua cara.

Projeto vencedor:

Nós da Apex do Brasil agradecemos a Paulifrut pela confiança depositada em nosso trabalho ao nos dar essa responsabilidade de desenvolver o projeto de reestilização da empresa.